Enviado por: mpperes em 09/08/2017 29 leituras

Tecnologia Fotodetector em nanoescala beneficiará câmeras, células solares e muito mais

Fotodetector em nanoescala beneficiará câmeras, células solares e muito mais

Não é à toa que a miniaturizaçãose tornou a alma da tecnologia moderna.






Nano-fotodetector

Assim como transistores cada vez menores tornaram os computadores cada vez mais poderosos, o mesmo está acontecendo com os componentes optoeletrônicos.

É o caso, por exemplo, dos sensores das câmeras digitais ou das células solares, que coletam luz e a convertem em energia elétrica. Conforme esses componentes seguem na onda da miniaturização, isso deverá significar painéis solares menores e mais leves, fotos de alta qualidade em condições de pouca iluminação, ou a transmissão mais rápida de informações, já que os emissores e sensores de luz são parte essencial das comunicações por fibras ópticas.

Zhenyang Xia e seus colegas da Universidade de Buffalo, nos EUA, deram sua contribuição para que essas possibilidades se tornem realidade.

Eles criaram um fotodetector - um sensor de luz - em nanoescala que detonou com a concorrência.

"Nós criamos um componente extraordinariamente potente e excepcionalmente pequeno que converte luz em energia. As aplicações potenciais são entusiasmantes porque ele poderá ser usado para produzir tudo, de painéis solares mais eficientes a fibras ópticas mais potentes," disse o professor Qiaoqiang Gan, coordenador da pesquisa.

Fotodetector em nanoescala beneficiará câmeras, células solares e muito mais
Esquema do fotodetector, formado por uma camada de cristais individuais de germânio. [Imagem: Zhenyang Xia]

Fotossensor

A miniaturização do fotossensor foi possível porque a equipe encontrou uma maneira de resolver dois problemas que vinham atrapalhando a redução no tamanho desses componentes: a diminuição do tamanho dos materiais de filmes finos normalmente degrada sua qualidade, além de torná-los virtualmente transparentes, o que reduz justamente sua capacidade de captar a luz.

Xia usou uma membrana extremamente fina de cristais do semicondutor germânio - material padrão nesse campo - e a colocou em uma nanocavidade. A nanocavidade é feita de uma série de moléculas interconectadas que, juntas, fazem a luz recircular, permitindo sua captação com mais eficiência.

Com isso, embora a miniaturização tenha deixado o material muito mais fino, ele funciona como se fosse muito mais grosso, graças a essa reciclagem da luz.

A equipe pretende agora testar sua técnica usando outros semicondutores.

"E, igualmente importante, ajustando a nanocavidade podemos controlar o comprimento de onda que realmente queremos absorver. Isso abrirá o caminho para desenvolver muitos componentes optoeletrônicos diferentes," concluiu o professor Gan.

Origem: http://www.inovacaotecnologica.com.br ... amp;ebol=sim#.WYabiojytEb

marcelo@guiadocftv.com.br

Avalie esta notícia, mande seus comentários e sugestões.

Encontrou alguma informação incorreta ou algum erro no texto?

Importante: Todos os Conteúdos divulgados decorrem de informações provenientes das fontes aqui indicadas, jamais caberá ao Guia do CFTV qualquer responsabilidade pelo seu conteúdo, veracidade e exatidão. Tudo que é divulgado é de exclusiva responsabilidade do autor e ou fonte redatora.'