O Gartner dentificou sete tendências emergentes de segurança e gerenciamento de riscos que afetarão os líderes de segurança, privacidade e risco no longo prazo.

O Gartner define tendências “de topo” como mudanças estratégicas em curso no ecossistema de segurança que ainda não são amplamente reconhecidas, mas espera-se que tenham um amplo impacto na indústria e um potencial significativo para a disrupção.

“Fatores externos e ameaças específicas de segurança estão convergindo para influenciar o cenário geral de segurança e risco, de modo que os líderes da área devem se preparar adequadamente para melhorar a resiliência e apoiar os objetivos de negócios”, disse Peter Firstbrook, vice-presidente de pesquisa do Gartner.

As sete principais tendências de segurança e gerenciamento de risco para 2019 e para além são:

Tendência 1: apetite ao risco e as áreas de negócios

À medida que as estratégias de TI se alinham mais estreitamente com as metas de negócios, a capacidade dos líderes de gerenciamento de riscos e segurança (SRM) de apresentar com eficácia os assuntos de segurança aos principais tomadores de decisões de negócios ganha importância.

Tendência 2: centro de operações de segurança são implementados com foco na detecção e reposta à ameaça

A mudança nos investimentos em segurança, desde a prevenção de ameaças até a detecção de ameaças, exige um investimento nos Centros de Operações de Segurança (SOCs) à medida que a complexidade e a frequência dos alertas de segurança aumentam.

Tendência 3: frameworks de governança de segurança de dados priorizarão investimentos em segurança de dados

A segurança de dados é uma questão complexa que não pode ser resolvida sem um forte entendimento dos dados em si, o contexto no qual os dados são criados e usados e como estão sujeitos à regulamentação. Em vez de adquirir produtos de proteção de dados e tentar adaptá-los para atender às necessidades de negócios, as organizações líderes estão começando a abordar a segurança de dados por meio de um framework de governança de segurança de dados (DSGF).

Tendência 4: autenticação sem senha está alcançando a tração do mercado

A autenticação sem senha, como o Touch ID em smartphones, está começando a conquistar uma verdadeira tração no mercado. A tecnologia está sendo cada vez mais implementada em aplicativos corporativos para consumidores e funcionários, já que há ampla oferta e demanda por ela. “Em um esforço para combater hackers que visam senhas para acessar aplicativos baseados em nuvem, métodos sem senha que associam usuários a seus dispositivos oferecem maior segurança e usabilidade, o que é um raro bom para ambas as partes na segurança”, disse Firstbrook.

Tendência 5: fornecedores de produtos de segurança estão cada vez mais oferecendo serviços Premium de qualificação e treinamento

O número de funções de segurança cibernética não preenchidas deverá crescer de 1 milhão em 2018 para 1,5 milhão até o final de 2020, de acordo com a Gartner. Embora os avanços na inteligência artificial e na automação certamente reduzam a necessidade de os humanos analisarem alertas de segurança padrão, os alertas sensíveis e complexos exigem o olho humano.

Tendência 6: investimentos em competências de segurança em nuvem como plataforma de computação convencional

A mudança para a nuvem significa esticar as equipes de segurança, pois o talento pode estar indisponível e as organizações simplesmente não estão preparadas para isso. A Gartner estima que a maioria das falhas de segurança na nuvem será culpa dos clientes até 2023. “A nuvem pública é uma opção segura e viável para muitas organizações, mas mantê-la segura é uma responsabilidade compartilhada”, disse Firstbrook. “As organizações devem investir em habilidades de segurança e ferramentas de governança que construam a base de conhecimento necessária para acompanhar o ritmo acelerado da inovação e do desenvolvimento na nuvem”.

Tendência 7: presença crescente da CARTA da Gartner em mercados de segurança tradicionais

A avaliação de risco e confiança adaptativa contínua (CARTA) da Gartner é uma estratégia para lidar com a ambiguidade das avaliações de confiança de negócios digitais. “Embora seja uma jornada plurianual, a ideia por trás da CARTA é uma abordagem estratégica à segurança que equilibra a fricção de segurança com o risco de transação.

Um componente-chave para a CARTA é avaliar continuamente o risco e a confiança mesmo após o acesso ser estendido”, disse o Sr. Firstbrook. “E-mail e segurança de rede são dois exemplos de domínios de segurança que estão se movendo em direção a uma abordagem CARTA, à medida que as soluções se concentram cada vez mais na detecção de anomalias, mesmo depois que usuários e dispositivos são autenticados.”

Origem: Portal da Segurança

Marcelo Peres

[email protected]

Guia do CFTV

Avalie esta notícia, mande seus comentários e sugestões. Encontrou alguma informação incorreta ou algum erro no texto?

Importante: ‘Todos os Conteúdos divulgados decorrem de informações provenientes das fontes aqui indicadas, jamais caberá ao Guia do CFTV qualquer responsabilidade pelo seu conteúdo, veracidade e exatidão. Tudo que é divulgado é de exclusiva responsabilidade do autor e ou fonte redatora.’

Quer enviar suas notícias? Envie um e-mail para [email protected]

Comentários