Muitas marcas já apostam nisso e o volume reciclado tem aumentado, mas o trabalho ainda está no início. O conceito de economia circular é o mais perseguido pelas companhias

Como já é tradicional em dias comemorativos, o doodle de hoje do Google homenageia nosso planeta neste Dia da Terra (22 de abril). A pequena animação mostra parte da diversidade encontrada por aqui — e que é ameaçada diariamente pelo descarte incorreto de todo tipo de lixo.

Um dos grandes males atuais são os resíduos tecnológicos. Pare para pensar: quantos celulares você já teve? E o que fez com eles quando deixou de usá-los? É comum que as pessoas doem ou vendam seus aparelhos antigos — e aí entram não apenas os smartphones, mas os computadores, as TVs e muitos outros equipamentos —, mas há uma parcela deles que acaba esquecida em uma gaveta ou é depositada na lata de lixo mais próxima.

Apenas para se ter uma ideia, um levantamento da Organização das Nações Unidas (ONU) aponta que, em 2016, foram criadas 44,7 milhões de toneladas de lixo eletrônico no mundo. Desse total, apenas 20% (ou seja, 8,9 milhões de toneladas) foram reciclados.

Muitas empresas de tecnologia já investem em programas de reciclagem e logística reversa para garantir que seus produtos tenham a destinação correta quando chegarem ao fim de suas vidas úteis. Mesmo assim, ainda falta muito para uma conscientização verdadeiramente ampla sobre o assunto

Uma das mais empenhadas é a Apple. Parte de seu esforço para cuidar disso está em um laboratório em Austin, no Texas (EUA), que pesquisa sobre novas formas de reciclagem de eletrônicos. E o lugar é quase secreto: não tem placas de identificação, o estacionamento passa boa parte do tempo vazio — diferentemente de seu endereço em Cupertino, no Vale do Silício, que está sempre bastante movimentado — e a porta de entrada é pouco notável.

Quem entra no galpão de mais de 800m², porém, se depara com a robô Daisy. Com 10m de comprimento, ela tem cinco braços automatizados que são capazes de desconstruir qualquer um dos modelos de iPhone lançados desde 2012 (do 5 ao XS): eles retiram tela, bateria, parafusos, sensores, placa lógica e demais componentes. E fazem isso rapidamente: são 200 dispositivos desmontados por hora.

Isso quer dizer que, ainda neste ano, a fabricante deve ultrapassar a marca de 1,5 bilhão de aparelhos vendidos desde que o primeiro deles foi lançado, há pouco mais de uma década. Assim, a Apple se tornou uma das companhias mais valiosas do mundo — o custo para o planeta, entretanto, é bastante alto. Por isso, no futuro, a ideia é que o laboratório passe a reciclar iPads, Macs e até AirPods.

O robô foi construído para desmontar os aparelhos que não vale mais a pena reformar — a Apple costuma renovar aparelhos antigos, mas em um determinado ponto do ciclo de vida deles, fica muito caro e deixa de ser viável fazê-lo. Então, a Daisy entra em ação para extrair os elementos e transformá-los em material bruto que possa ser usado em aparelhos novos. No ano passado, dos cerca de 9 milhões de iPhones recebidos pela Apple, 7,8 milhões foram renovados e enviados para novos usuários, enquanto 1,2 milhão foram tratados pela Daisy.

Origem: Olhar Digital

Marcelo Peres

mpperes@guiadocftv.com.br

Guia do CFTV

 

Avalie esta notícia, mande seus comentários e sugestões. Encontrou alguma informação incorreta ou algum erro no texto?

 

Importante: ‘Todos os Conteúdos divulgados decorrem de informações provenientes das fontes aqui indicadas, jamais caberá ao Guia do CFTV qualquer responsabilidade pelo seu conteúdo, veracidade e exatidão. Tudo que é divulgado é de exclusiva responsabilidade do autor e ou fonte redatora.’

 

Quer enviar suas notícias? Envie um e-mail para noticias@guiadocftv.com.br

Comentários