A faixa ideal de transmissão para a conexão não existe no país e os smartphones disponíveis no mercado que são compatíveis com a tecnologia não são vendidos aqui.

A sexta geração da conexão de internet sem fio, procolo IEEE 802.11ax, também conhecida como W-Fi 6, é um passo importante para uma transmissão de dados mais rápida e segura. Em crescimento constante em todo mundo, no Brasil, esse fenômeno não é diferente. No entanto, se levarmos em consideração os obstáculos por aqui, não seria pessimismo dizer que o Wi-Fi 6 ainda vai demorar para ser incorporado nas casas e empresas de todo país

A conexão possibilita o alcance de velocidades de até 500 Mbps em cada antena de um aparelho. Ou seja, falando de um celular 2×2 (duas antenas transmissoras e duas receptoras), ele poderá chegar a 1 Gbps. Mas isso não é o mais impressionante. A tecnologia chega a quadruplicar a capacidade de transmissão de dados das redes móveis de quinta geração (5G). Mas é aí que os problemas começam a aparecer.

Isso porque todo esse fluxo de informações precisa percorrer uma faixa de transmissão. E aquelas a partir de 6 GHz seriam ideais para o funcionamento perfeito do Wi-Fi 6 . No entanto, no Brasil, não existem nem mesmo essas estações que as transmitam. E o uso massivo de faixas inferiores poderia levar a um “estrangulamento” da conexão.

Falando sobre o usuário padrão, ele notaria com facilidade a melhora na experiência de conexão em uma rede Wi-Fi 6. Porém, essa sensação estaria relacionada a velocidade apenas. E é muito simplista reduzir essa novidade apenas como “mais rápida”.

A Qualcomm lançou o chip IPQ807x, devidamente certificado para fazer com que os roteadores de fabricantes parceiras sejam compatíveis ao Wi-Fi 6 — há rumores, inclusive, de que uma delas, a Ruckus, já está instalando alguns equipamentos comerciais com esse chipset por aqui. Porém não existe nenhuma previsão formal de quando esse componente será adotado em massa.

O QCA6390, chip da mesma companhia para dispositivos como smartphones, tablets, caixas de som conectadas e etc, também já está certificado e compatível com o Wi-Fi 6. Mas ele só chegará no exterior em 2020. E, novamente, não há previsão de quando desembarcará em terras brasileiras.

É verdade que há dispositivos no mercado que já suportam o Wi-Fi 6. No caso dos roteadores, alguns fabricados por Ruckus, Calix, Huawei, Netgear e Cisco. No entanto, se você pensa em comprar um desses, repense: você apenas pagará mais caro por eles e sequer aproveitará as vantagens da rede. E falando dos dispositivos móveis que contam com o componente, a lista traz o Xiaomi Mi 9, Xiaomi Mi Mix 3 5G, LG G8 ThinQ, LG V50 ThinQ, Sony Xperia 1, Lenovo Z5 Pro GT, e ZTE Axon 10 Pro 5G — mas vale lembrar que nenhum deles chegou aqui, com exceção do Mi 9, que aportará no Brasil via importadoras.

Não podemos negar a importância desse passo para a conexão e as facilidades que o acompanham. Nas palavras de Hamilton Matias, diretor de produtos da Qualcomm América Latina, “estamos no estado da arte em termos de tecnologia”. Mas falando sobre Brasil, essa arte toda ainda vai demorar para chegar.

Origem: Olhar Digital

Marcelo Peres

mpperes@guiadocftv.com.br

Guia do CFTV

 

Avalie esta notícia, mande seus comentários e sugestões. Encontrou alguma informação incorreta ou algum erro no texto?

 

Importante: ‘Todos os Conteúdos divulgados decorrem de informações provenientes das fontes aqui indicadas, jamais caberá ao Guia do CFTV qualquer responsabilidade pelo seu conteúdo, veracidade e exatidão. Tudo que é divulgado é de exclusiva responsabilidade do autor e ou fonte redatora.’

 

Quer enviar suas notícias? Envie um e-mail para noticias@guiadocftv.com.br

Comentários