CFTV IP: para o Grupo Policom é 100% dos projetos

Nos últimos dois anos, como forma de ampliar sua atuação no mercado corporativo, o Grupo Policom – líder no mercado nacional de distribuição de produtos para Cabeamento Estruturado, direcionados a aplicações de dados, voz, vídeo e controles prediais – vem investindo no segmento de CFTV, via parceria com a Pelco.

Iniciada em fevereiro de 2008, essa parceria mereceu investimentos significativos na formação de estoque para pronta entrega e na formação de equipe dedicada, treinada e continuamente atualizada nas tecnologias disponíveis.

 

A meta é se tornar referência no segmento, repetindo o que foi obtido com o cabeamento estruturado. O objetivo é firmado também na própria evolução da tecnologia CFTV IP, dependente da infraestrutura dominada pela equipe do Grupo Policom e por seus clientes diretos: os integradores.

Para cumprir seus planos, o Grupo Policom está estimulando seus parceiros de cabeamento para absorver esse mercado de CFTV e também conquistando novos parceiros que já atuavam em segurança e agora têm as empresas do Grupo Policom como uma opção em equipamentos de CFTV e cabeamento.

Ao se posicionar como um distribuidor de CFTV altamente focado e experiente em redes, o Grupo Policom pretende desenvolver esse mercado, auxiliar também o consumidor final, dando-lhe informações e formação, atuando no desenvolvimento desse mercado, principalmente do CFTV IP, de forma semelhante ao que foi realizado com o mercado de cabeamento estruturado.

Nesta entrevista, Marcelo Merlim, um dos reponsáveis pela área de CFTV no Grupo Policom fala sobre as tendências da atividade e os diferenciais do Grupo Policom e das soluções que disponibiliza.

A atividade de CFTV pode ser considerada recente para o Grupo Policom. Mesmo assim, vem se destacando. Quais os motivos que respondem por isso?

Mais do que ser um distribuidor que entrega a mercadoria em estoque, o Grupo Policom tem um suporte que ajuda o integrador, seja no projeto, seja no seu desenvolvimento e implantação. Além disso, independentemente de a solução ser analógica ou IP, o Grupo Policom tem como oferecer a solução completa, desde a captura de imagem (lente e câmera), o meio de transmissão (cabo óptico ou metálico), digital ou analógico, e o gerenciamento e o armazenamento dessas imagens, sempre com equipamentos profissionais de alta performance. Além desses diferenciais, para o integrador, há também o suporte pré e pós venda, desde a proposta até a instalação, prestado por profissionais especializados nas soluções. Desse modo, com a unificação da infraestrutura para telefonia, dados e vídeo, incluindo CFTV, a equipe do Grupo Policom ajuda e auxilia, fornecendo suporte, orientação e soluções desde o cabeamento até a integração disso tudo ao CFTV. Nossa especialidade é a convergência IP e essa é também uma tendência.

Como o Grupo Policom vê a migração do modo analógico para o IP?

Enxergamos no CFTV a grande tendência de mercado. Hoje, 100% dos projetos novos são 100% IP. O Grupo Policom não toca projeto novo que não seja IP. Quando o cliente necessita de instalação analógica, o Grupo Policom trabalha já pensando em migração futura. Trabalhamos com produtos analógicos em processos com verba que torna impeditivo o uso de CFTV IP, mas usamos como infraestrutura os cabos UTP com baluns da NVT que fazem o casamento de impedância entre o cabo UTP e os gravadores digitais analógicos, tornando o custo acessível e favorecendo a migração IP.

Com equipe atenta às mais novidades tecnológicas, aponta a convergência IP como uma tendência. Haveria outras tendências?

A possibilidade de uso de inteligência em CFTV é uma outra tendência. Hoje, são pedidas soluções inteligentes, cada vez menos dependentes de decisão ou percepção do operador. Desse modo, o sistema é programado para decisão em situações específicas e até inusitadas, tomando a decisão de automaticamente gravar, alarmar e estocar a imagem. Exemplos de inteligência podem ser facilmente inseridos em sistemas de CFTV IP, como contagem de objetos, alarmar quando há movimento indevido (trafegar na contramão, abandono e retirada de objeto, simulação de queda etc.), sabotagem da câmera, identificação de forma humana e de placa de veículo, entre muitas outras possibilidades.

Especificamente com relação às câmeras, quais as novidades e vantagens em usar equipamentos IP?

Por volta do ano 2000, quando se desenvolveu o protocolo IP, todas as câmeras tinham qualidade de imagem limitada devido à infraestrutura de rede e devido ao processamento e storage. Hoje, com a criação de métodos de compressão mais eficientes (H264), o mercado de CFTV pode investir em câmeras de alta resolução, tecnologia megapixel, principalmente pelo avanço tecnológico dos storages, processadores e meio de transmissão em rede Gigabit. Para o usuário final, a grande vantagem é a de que uma imagem, mesmo sendo gravada a longa distância – até cerca de 1 km de acordo com o equipamento utilizado e o objeto mostrado – pode ser visualizada em pequenos detalhes, permitindo a identificação de rostos, objetos, placas de veículos etc.

Storage ainda é um gargalo no segmento de CFTV? Qual o futuro?

Em muitos casos, o investimento foca o sistema de transmissão, colocando em segundo plano gravação e armazenagem das imagens. A solução hoje é a utilização de NVR (Network Video Recorder). Em futuro próximo, serão substituídos pelo banco de dados já existente na empresa ou por ela utilizado como data center. Hoje, o mercado busca um protocolo único de comunicação IP em que todas as câmeras conversarão com todos os equipamentos de gravação e de gerenciamento. Com isso, a utilização de um storage único vai ser mais fácil.

Convergência é um conceito atual e que é favorecido pelo uso de tecnologias não dedicadas. No caso de CFTV isso esbarra em protocolos, que tornam o sistema muitas vezes incompatível com soluções de fabricantes diferentes. Como está o movimento de unificação do protocolo?

Hoje, em âmbito mundial, dois principais órgãos centralizam as atenções da indústria. A diferença entre eles é apenas de linguagem técnica, não sendo, portanto, aparente para o usuário. Essas decisões estão sendo tomadas em âmbito mundial. Desse modo, o Brasil nada pode fazer, a não ser aguardar as decisões, pois a negociação do protocolo é feita diretamente entre os fabricantes, que são empresas mundiais. Um dos fabricantes, no entanto – e coincidentemente nosso parceiro – vem investindo e tomando a iniciativa de tornar seu equipamento compatível com os dois protocolos. Por isso, acreditamos em novidades para breve.

Como o protocolo impacta sobre o sistema?

Para o usuário não há diferença, só que enquanto não houver unificação, todos os sistemas são dedicados, tornando o usuário refém do fabricante.

Qual o futuro para o sistema de CFTV?

O futuro está diretamente ligado à metadata, que é a capacidade de identificação de pessoas ou objetos por características específicas. Isso é possível graças à utilização de câmera de alta resolução e alto processamento de dados.

 

Origem: http://www.grupopolicom.com.br/

 

Marcelo Peres

Editor do Guia do CFTV

 

Avalie esta notícia, mande seus comentários e sugestões. Encontrou alguma informação incorreta ou algum erro no texto?

Escreva para mim:

mpperes@guiadocftv.com.br

 

Importante:

‘Todos os Conteúdos divulgados decorrem de informações provenientes das fontes aqui indicadas, jamais caberá ao Guia do CFTV qualquer responsabilidade pelo seu conteúdo, veracidade e exatidão. Tudo que é divulgado é de exclusiva responsabilidade do autor e ou fonte redatora.’  

Eng° Marcelo Peres

Eng° Eletricista Enfase em Eletrônica e TI, Técnico em Eletrônica, Consultor de Tecnologia, Projetista, Supervisor Técnico, Instrutor e Palestrante de Sistemas de Segurança, Segurança, TI, Sem Fio, Usuário Linux.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.