Tecnologia de reconhecimento facial significa que mãe viu filho morrendo

Quando a polícia tirou um homem inconsciente de um rio no verão de 2019, começou a corrida para identificá-lo.

Sem nenhuma identificação encontrada, normalmente poderia ter levado 10 dias – tempo que o homem não tinha.

Mas um teste de nova tecnologia pela Polícia do Gales do Sul permitiu que eles o identificassem em 10 minutos.

Sua mãe foi então localizada, o que a permitiu estar ao lado da cama de seu filho moribundo no hospital para se despedir.

“É uma história bastante triste, mas a mãe estava com o filho quando ele faleceu – mas sem a tecnologia facial retrospectiva isso não teria acontecido”, disse o inspetor-chefe Scott Lloyd.

Ch Insp Lloyd é o responsável pelo teste contínuo desse tipo de software de reconhecimento facial. Ao contrário da versão que foi contestada com sucesso nos tribunais, que examina rostos em uma multidão em busca de pessoas em uma lista de observação, essa pesquisa é mais restrita.

Como funciona o reconhecimento facial?

O software pega a “imagem da sonda”, normalmente um rosto capturado em CCTV ou de um telefone celular, e mede as características faciais – nossos dados biométricos. Em seguida, compara isso com todas as imagens de custódia no banco de dados compartilhado por Gwent e a polícia de South Wales. Atualmente, são pouco mais de meio milhão de imagens.

Isso reduz para as 100 melhores partidas, ordenadas da mais para a menos provável.

“A tecnologia leva você tão longe, ela ajuda, mas então o operador humano – os olhos realmente habilidosos e bem treinados – vai olhar através dos 100 melhores”, disse Ch Insp Lloyd.

“Mas isso não é o fim da investigação. Dizemos que pode ser a pessoa que você está procurando.

“Antes do reconhecimento facial retrospectivo, demorávamos em média 10 dias [para identificar alguém], mas agora leva em média cerca de cinco minutos.”

Predominantemente usado para detectar pessoas em relação a um crime, também pode ajudar na busca de desaparecidos ou onde haja preocupações com o bem-estar.

E embora dramas criminais de TV como CSI possam nos fazer acreditar que as agências de aplicação da lei há muito são capazes de enviar uma imagem para o computador e obter um resultado instantaneamente, na realidade os testes usando o software só começaram na Polícia do Sul do País de Gales em agosto de 2017.

“Tivemos mais de 2.500 identificações positivas desde que usamos a tecnologia”, disse Ch Insp Lloyd.

“Nós o usamos desde o que poderia ser considerado crimes de baixo nível – furtos em lojas e danos criminais – até os crimes mais horríveis, como assassinato.

“Isso revolucionou a maneira como atualmente identificamos indivíduos”, disse ele, acrescentando que também pode resultar em confissões iniciais de culpa.

“Se você identifica alguém no primeiro dia em vez do décimo dia, o que você deixou de acontecer nesses nove dias? Que diferença você fez para as vítimas e as testemunhas?”

E embora o tempo possa ter mudado um infrator, ele não mudará seus dados biométricos, então mesmo que anos tenham se passado e eles pareçam bem diferentes de sua última foto de custódia, “a tecnologia nunca esquece”, disse ele.

Como o reconhecimento facial afeta nossos direitos humanos?

A polícia está perfeitamente ciente das questões legais e éticas que envolvem a tecnologia. O caso Bridges no ano passado desafiou especificamente o uso de software de reconhecimento facial automatizado, onde câmeras analisaram milhares de rostos em uma multidão – uma violação dos direitos humanos, disse o grupo de campanha pelas liberdades civis Liberty.

O Tribunal de Apelação disse que mais trabalho é necessário para garantir que os algoritmos usados ​​no cenário ao vivo não contenham preconceito de gênero ou raça. Regulamentos mais rígidos também eram necessários.

A força está confiante de que será capaz de fornecer as garantias exigidas pelo tribunal – embora a Liberty sempre tenha considerado isso impossível e tenha pedido que a tecnologia seja banida.

“Como o policiamento e a aplicação da lei testam essa tecnologia para garantir que permaneçamos legítimos e levemos nosso público nesta jornada para que eles tenham confiança na maneira como a usamos?” disse o Inspetor Chefe Lloyd.

Se esse enigma puder ser resolvido, ainda resta outro desafio caro.

As câmeras CCTV agora podem ser encontradas nos centros das cidades, lojas, estacionamentos – sem falar nas inúmeras residências particulares. Há uma expectativa de que um crime seja capturado por uma câmera em algum lugar.

Mas muitos desses sistemas têm agora 10 ou 20 anos, diz Ch Insp Lloyd. E a qualidade da imagem é fundamental.

“Grande parte dos crimes em massa com os quais a Polícia do Gales do Sul lida envolve grandes supermercados e cadeias de lojas, onde temos a imagem de um roubo. E em 2021, suas imagens são sempre de boa qualidade? A resposta provavelmente é não. ”

 

João Marcelo de Assis Peres

joao.marcelo@guiadocftv.com.br

GuiadoCFTV

Avalie esta notícia, mande seus comentários e sugestões. Encontrou alguma informação incorreta ou algum erro no texto?

Importante: ‘Todos os Conteúdos divulgados decorrem de informações provenientes das fontes aqui indicadas, jamais caberá ao Guia do CFTV qualquer responsabilidade pelo seu conteúdo, veracidade e exatidão. Tudo que é divulgado é de exclusiva responsabilidade do autor e ou fonte redatora.’

Quer enviar suas notícias? Envie um e-mail para noticias@guiadocftv.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.