Hering é processada por uso de reconhecimento facial sem consentimento

Caso seja considerada culpada das acusações, empresa poderá ser multada em até R$ 97 milhões

A loja conceito da Hering, a Hering Experience, localizada no Morumbi Shopping, em São Paulo, apresenta algumas tecnologias para melhorar o modo de consumo de seus produtos. O estabelecimento possui câmeras de reconhecimento facial que captam as reações dos clientes às peças expostas pelo local. Além disso, sensores identificam quais os locais de preferência do cliente ao circular pela loja.

Reconhecimento Facial
Aplicações de Reconhecimento Facial

À primeira vista, toda essa tecnologia pode ser usada para personalizar ofertas e entender o perfil de compra dos clientes, mas o Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC) encara essa prática com outros olhos.

Nesta segunda-feira (2), foi instaurado um processo pelo órgão, que investiga indícios de coleta de dados dos clientes sem o seu consentimento prévio. A ação judicial prevê que a empresa deverá ser intimada a prestar esclarecimentos sobre o destino dos dados coletados. Os órgãos de justiça querem entender com quem seriam compartilhadas essas informações.

O Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) acredita que essa prática oferece um grande risco à privacidade dos clientes que frequentam a loja. Caso a Hering seja considerada culpada das acusações, a empresa poderá ser multada em até R$ 97 milhões.

Hering
Loja conceito da Hering, em São Paulo, tem reconhecimento facial e sensor que identifica interesse do consumidor por peças nas araras Foto: ReproduçãoCâmer

Procurada para prestar esclarecimentos, a Cia Hering, gestora da marca, afirmou que “diferentemente do que foi apontado, [a Hering] não realiza reconhecimento facial, mas, sim, detecção facial, por meio do qual estima apenas o gênero, a faixa etária e o humor dos consumidores, de forma anônima”.

Esses dados, segundo a empresa, “não são tratados, armazenados ou compartilhados com terceiros”, sendo as informações “meramente estatísticas” e usadas para entender os padrões de consumo da loja. “Sendo assim, não é necessário que se obtenha consentimento prévio do consumidor, assim como também afirma não haver violação dos direitos dos seus clientes”, diz a Hering.

 

O reconhecimento facial em estabelecimentos é um assunto que ainda é bastante discutido. Na Câmara dos Deputados, um projeto em tramitação obriga estabelecimentos que utilizam a tecnologia a informarem seus clientes por meio da fixação de placas e adesivos indicando sobre a prática de reconhecimento facial presente no local.

 

Origem: Olhar Digital

 

Marcelo Peres

mpperes@guiadocftv.com.br

 

Guia do CFTV

Avalie esta notícia, mande seus comentários e sugestões. Encontrou alguma informação incorreta ou algum erro no texto?

Gostaria de sugerir alguma notícia ou entrar em contato, clique Aqui!

Importante: ‘Todos os Conteúdos divulgados decorrem de informações provenientes das fontes aqui indicadas, jamais caberá ao Guia do CFTV qualquer responsabilidade pelo seu conteúdo, veracidade e exatidão. Tudo que é divulgado é de exclusiva responsabilidade do autor e ou fonte redatora.’

Eng° Marcelo Peres

Eng° Eletricista Enfase em Eletrônica e TI, Técnico em Eletrônica, Consultor de Tecnologia, Projetista, Supervisor Técnico, Instrutor e Palestrante de Sistemas de Segurança, Segurança, TI, Sem Fio, Usuário Linux.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.