Mulher é detida no Rio por erro em câmera de reconhecimento facial

Não é a primeira vez que a tecnologia falha no Rio de Janeiro. Tendência, porém, é de que mais estados brasileiros invistam em sistemas similares.

As câmeras de segurança com reconhecimento facial em Copacabana, no Rio de Janeiro, identificaram incorretamente uma mulher como uma foragida da Justiça. O sistema, que usa inteligência artificial, alertou o Centro Integrado de Comando e Controle (CICC) e indicou que uma criminosa, condenada por espancar um homem até a morte, tinha sido localizada em Copacabana nesta terça-feira (09/07). Entretanto, ela era inocente, e apenas mais uma moradora do bairro.

Em cinco minutos, uma viatura da Polícia Militar do Rio de Janeiro cercou a ‘procurada’ na Avenida Nossa Senhora de Copacabana. Levada para a 12ª DP, ela foi liberada mais de uma hora depois. A polícia procurava Maria Lêda Félix da Silva, condenada em julho deste ano a sete anos de prisão por homicídio e ocultação de cadáver. Ela e a companheira Alexandra Toggnoc da Costa foram acusadas de assassinar Wilson Toggnoc, genro de Alexandra, em junho de 2015.

Reconhecimento Facial

 

Um erro recorrente

O sistema de reconhecimento facial começou a ser instalado durante o Carnaval deste ano e, de acordo com o jornal O Dia, passou de nove câmeras para um total de 25 unidades desde a semana passada. A delegada Valéria Aragão, titular da 12ª DP, afirma que não é a primeira vez que um erro semelhante acontece: no Carnaval, a tecnologia também falhou.

A reportagem d’O Dia afirma que as pessoas podem ser indenizadas por serem conduzidas para a delegacia por engano e que há possibilidade dos policiais responderem por abuso. O advogado criminalista Carlos Maggiolo, entrevistado pelo jornal, explica esse direito do cidadão: “Qualquer pessoa honesta sofrerá constrangimentos e danos psicológicos ao ser detida pela polícia, confundida com uma meliante. Cabe ação de indenização por danos morais”, disse.

Especialistas alertam para os potenciais riscos do emprego da tecnologia de reconhecimento facial. Pesquisadores já apontaram que algumas etnias têm mais chances de caírem em falsos positivos, especialmente mulheres negras.

A tendência, porém, é que casos como esse se amplifiquem, já que a tecnologia está começando a ser adotada de forma maciça no Brasil. De acordo com o Gizmodo, o metrô de São Paulo abriu uma licitação para a instalação de um circuito de segurança com reconhecimento facial. Sistemas similares também estão sendo testados em Campinas e Salvador.

Origem: O Dia

 

Marcelo Peres

mpperes@guiadocftv.com.br

Guia do CFTV

Avalie esta notícia, mande seus comentários e sugestões. Encontrou alguma informação incorreta ou algum erro no texto?

Importante: ‘Todos os Conteúdos divulgados decorrem de informações provenientes das fontes aqui indicadas, jamais caberá ao Guia do CFTV qualquer responsabilidade pelo seu conteúdo, veracidade e exatidão. Tudo que é divulgado é de exclusiva responsabilidade do autor e ou fonte redatora.’

Eng° Marcelo Peres

Eng° Eletricista Enfase em Eletrônica e TI, Técnico em Eletrônica, Consultor de Tecnologia, Projetista, Supervisor Técnico, Instrutor e Palestrante de Sistemas de Segurança, Segurança, TI, Sem Fio, Usuário Linux.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.