Preso por assassinato alega inocência e processa Chicago por uso indevido de IA

Escutar o áudio deste artigo

Uma ação apresentada nos EUA na última quinta-feira (21) alega que o sistema judiciário de Chicago usou indevidamente tecnologia de Inteligência Artificial (IA) para detecção de tiros “não confiável”, e que a polícia não seguiu outras pistas na investigação de um idoso do município que foi acusado de matar um vizinho.

De acordo com a agência de notícias Associated Press, os promotores usaram um áudio captado por uma rede de sensores instalados pela empresa de detecção de tiros ShotSpotter como única evidência ao acusar Michael Williams de supostamente atirar no homem de dentro de seu carro, crime ocorrido em 2020. Ele passou quase um ano detido.

A ação movida por Williams e pelo grupo de defesa dos direitos humanos MacArthur Justice Center, da faculdade de direito da Universidade Northwestern, pede indenização da cidade por angústia mental, perda de renda e contas legais para o senhor de 65 anos, que disse que ainda sofre de um tremor na mão que se desenvolveu enquanto estava preso.

“Mesmo que agora eu seja considerado livre, acho que nunca estarei livre do pensamento do que eles fizeram e do impacto que isso tem em mim agora, como o tremor com a mão”, disse Williams. “Eu constantemente volto a pensar naquele lugar. Simplesmente, não consigo me acalmar”.

O processo também alega que a decisão da cidade de colocar a maioria de seus sensores de detecção de tiros em bairros predominantemente negros e latinos é racialmente discriminatória.

Questionado sobre o comentário, o departamento de direito da cidade, que representa a polícia nesses casos, disse que ainda não havia sido intimado sobre a denúncia.

A polícia da terceira maior cidade dos EUA já elogiou o sistema ShotSpotter, dizendo que ele coloca os policiais na cena dos tiroteios muito mais rápido do que quando se espera que alguém ligue para o 911 (equivalente ao 190 do Brasil). Também informou que os índices de criminalidade – não a etnia dos moradores – é que determinam onde a tecnologia é implantada.

Em comunicado, a ShotSpotter disse que as provas coletadas e suas testemunhas especializadas foram admitidas em 200 processos judiciais de 20 estados, sobrevivendo a dezenas de desafios probatórios.

origem: https://olhardigital.com.br/2022/07/26/ciencia-e-espaco/preso-por-assassinato-alega-inocencia-e-processa-chicago-por-uso-indevido-de-ia-nas-investigacoes-do-caso/

Sirlei Madruga de Oliveira

Editora do Guia do CFTV

 sirlei@guiadocftv.com.br

Avalie esta notícia, mande seus comentários e sugestões. Encontrou alguma informação incorreta ou algum erro no texto?

Importante: ‘Todos os Conteúdos divulgados decorrem de informações provenientes das fontes aqui indicadas, jamais caberá ao Guia do CFTV qualquer responsabilidade pelo seu conteúdo, veracidade e exatidão. Tudo que é divulgado é de exclusiva responsabilidade do autor e ou fonte redatora.’

Quer enviar suas notícias? Envie um e-mail para noticias@guiadocftv.com.br

Sirlei Madruga

Sirlei Maria Guia do CFTV

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.