Condomínios investem cada vez mais em segurança

O Estado de São Paulo registrou média de 12,1 mil roubos e furtos por mês a casas e condomínios entre 2014 e 2018

De acordo com dados do Sistema de Informações Criminais (Infocrim), entre os anos de 2014 e 2018, os moradores de São Paulo sofreram em média 12,1 mil ataques por mês a casas e condomínios. O número se refere a perfis de crimes classificados como roubos (subtração de bem alheio com emprego de violência ou grave ameaça) e furtos (apropriação de bem alheio furtivamente, ou seja, sem coação). As estatística ajudam a compreender o fenômeno e a razão pela qual os debates em torno da segurança tem se tornado presente na esfera pública.

Para inibir as ações de criminosos empresas de consultoria focadas em segurança têm desenvolvido planos estratégicos.

Todo o processo começa com um mapeamento dos pontos fracos do condomínio que merecem uma atenção especial, passando por ações práticas efetivas, como “treinamento rigoroso para funcionários, orientações aos condôminos, investimentos em sistemas para controle de acesso com alarmes silenciosos de pânico e Sistema de Circuito Fechado de TV (CFTV) nas áreas comuns”, enumera Cláudio Affonso, diretor de negócios condominais da CIPA.

Atenção sempre

Para romper protocolos de segurança, criminosos estão sempre buscando atuações cada vez mais surpreendentes. Normalmente, para entrar nos condomínios, eles se identificam como funcionários de concessionárias, oficiais de justiça ou advogados, corretores de imóveis e até mesmo se passam por mulheres grávidas. “Geralmente se aproveitam do momento quando há vacância nos postos de trabalho ou na entrada e saída de moradores”, completa Affonso.

Criado pela Polícia Militar de São Paulo, o programa Vizinhança Solidária consiste em conscientizar as pessoas de uma comunidade do seu papel e responsabilidade para preservar sua segurança pessoal e coletiva, adotando medidas capazes de prevenir delitos e estabelecendo uma área vigiada pelos moradores com apoio da PM. O projeto teve início no bairro do Itaim Bibi, cresceu e virou lei estadual (nº 16.771/18).

Outra postura importante para os moradores de casas é prestar atenção ao entrar e sair com o carro da garagem, sempre observando a presença de pessoas suspeitas nas extremidades da rua. “Para quem chega à pé, evitar a utilização de smartphones e manter atenção ao aproximar-se de casa”, completa o delegado.

Ele aponta também a importância de as casas utilizarem sistemas que geram alarmes em caso de tentativa de invasão, como sensores de abertura de portas, sensores ativos nos muros, sensores passivos em ambiente interno e também as boas e velhas câmeras de vigilância. “O alarme gera reação por efeito de luz ou sonoro, deixando o criminoso desconfortável com o próprio início de sua ação”, conclui Cunha.

origem: Estadão

 


Sirlei Madruga de Oliveira

 

Editora do Guia do CFTV

 

 

 

 

sirlei@guiadocftv.com.br
Avalie esta notícia, mande seus comentários e sugestões. Encontrou alguma informação incorreta ou algum erro no texto?


Importante:

Todos os Conteúdos divulgados decorrem de informações provenientes das fontes aqui indicadas, jamais caberá ao Guia do CFTV qualquer responsabilidade pelo seu conteúdo, veracidade e exatidão. Tudo que é divulgado é de exclusiva responsabilidade do autor e ou fonte redatora.’ 

Sirlei Madruga

Sirlei Maria Guia do CFTV

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.