IBM anuncia novo computador quântico com 53 qubits de processamento

Novo sistema quântico é o mais rápido da IBM e deve estar disponível para clientes já em outubro.

IBM promete disponibilizar o Q Network, um novo computador quântico de 53 qubits em outubro. O sistema chega com o dobro de potência que já existe em outros computadores quânticos da marca e será oferecido para que os usuários possam acessar uma plataforma, que usa conceitos da física quântica para processar e armazenar dados.

Os Computadores Quânticos, como o novo sistema da IBM e também das ‘rivais’ Google e Microsoft prometem revolucionar a tecnologia da informação, com a oferta de uma capacidade de trabalho inalcançável pelos sistemas de computadores convencionais, que usam lógica binária para processamento.

Equipados com bits quânticos (qubits), o supercomputador usa esta medida de capacidade em seu novo sistema. A lógica é simples: quanto mais qubits o computador oferecer, maior será a sua capacidade de processamento. No momento, o Bristlecone do Google, com 72 qubits e o IonQ, com 79 qubits, são os recordistas. O Q Network se juntará a uma rede crescente de máquinas deste tipo, fabricadas pela IBM: são cinco computadores de 20 qubits, um de 14 e outras quatro unidades com 5 qubits.

Ao contrário da máquina do Google, que destina seus sistemas quânticos a experimentos científicos e pesquisas, a IBM vai permitir que clientes usem a plataforma, para realização de cálculos e simulações que seriam inviáveis em computadores normais, por exemplo.

Assim como em outros sistemas quânticos, o Q Network aplica a ideia de superposição, onde dados podem assumir mais de um estado ao mesmo tempo: enquanto o desktop comum processa dados de maneira binária, o supercomputador resolve equações a partir de operadores lógicos, determinados em 0 ou 1, sim e não. O sistema quântico funciona com um conceito diferente, onde esses operadores podem ser sim, não ou as duas coisas ao mesmo tempo. Esta característica possibilita a resolução mais rápida de tarefas complexas

Embora venha avançando, a computação quântica ainda é experimental e se destina a um conjunto reduzido de aplicações que, em sua maioria, tem caráter científico. No momento, computadores quânticos consomem muita energia, ocupam muito espaço e frequentemente precisam trabalhar em temperaturas extremamente baixas. Mesmo sendo mais ‘poderoso’ do que um computador normal, a margem de erro do novo computador da IBM é maior do que a encontrada em desktops de uso cotidiano.

Origem: TechTudo

Sirlei Madruga de Oliveira

sirlei@guiadocftv.com.br

Guia do CFTV

 

Avalie esta notícia, mande seus comentários e sugestões. Encontrou alguma informação incorreta ou algum erro no texto?

 

Importante: ‘Todos os Conteúdos divulgados decorrem de informações provenientes das fontes aqui indicadas, jamais caberá ao Guia do CFTV qualquer responsabilidade pelo seu conteúdo, veracidade e exatidão. Tudo que é divulgado é de exclusiva responsabilidade do autor e ou fonte redatora.’

 

Quer enviar suas notícias? Envie um e-mail para noticias@guiadocftv.com.br

Sirlei Madruga

Sirlei Maria Guia do CFTV

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.