Por que analistas estão céticos com o IPO da Intelbras?

Conhecida como a maior fabricante de câmeras e equipamentos de segurança eletrônica no Brasil, a Intelbras estreia no dia 4 fevereiro na bolsa de valores. A companhia será listada no Novo Mercado, maior nível de governança da B3, com o ticker INTB3.

A faixa indicativa de preço foi estabelecida entre R$ 15,25 e R$ 19,25, tendo como ponto médio R$ 17,25. O período de reservas termina nesta segunda-feira (1) e o preço final será fixado no dia seguinte (2 de fevereiro). A empresa vai estrear na bolsa no dia 4 de fevereiro.

Com a sua oferta pública inicial de ações (IPO), a Intelbras pode movimentar até R$ 1,24 bilhão. O prazo de reserva termina no dia 1 de fevereiro, e o valor mínimo é de R$ 3000.

Empresa sólida e com um portfólio diversificado em três grandes segmentos (segurança, comunicação e energia), a Intelbras tem atraído o olhar do investidor nas últimas semanas, mas parece que seu desempenho financeiro e sua boa reputação em 40 anos de mercado não foram suficientes para convencer as principais casas de análise.

Especialistas de mercado enxergam como principais riscos ao investidor: os concorrentes estrangeiros, a dependência da empresa por insumos importados e a falta de novos planos para futuras aquisições.

Fabricante tem crescimento sólido e um portfólio diverso, mas para analistas pesa mais o seu “calcanhar de Aquiles”.

Conhecida como um dos maiores fabricantes de câmeras e equipamentos de segurança eletrônica no Brasil, a Intelbras estreia no dia 4 fevereiro na bolsa de valores. A companhia será listada no Novo Mercado, maior nível de governança da B3, com o ticker INTB3.

A faixa indicativa de preço foi estabelecida entre R$ 15,25 e R$ 19,25, tendo como ponto médio R$ 17,25. O período de reservas termina nesta segunda-feira (1) e o preço final será fixado no dia seguinte (2 de fevereiro). A empresa vai estrear na bolsa no dia 4 de fevereiro.

Com a sua oferta pública inicial de ações (IPO), a Intelbras pode movimentar até R$ 1,24 bilhão. O prazo de reserva termina no dia 1 de fevereiro, e o valor mínimo é de R$ 3000.

Empresa sólida e com um portfólio diversificado em três grandes segmentos (segurança, comunicação e energia), a Intelbras tem atraído o olhar do investidor nas últimas semanas, mas parece que seu desempenho financeiro e sua boa reputação em 40 anos de mercado não foram suficientes para convencer as principais casas de análise.

Especialistas de mercado enxergam como principais riscos ao investidor: os concorrentes estrangeiros, a dependência da empresa por insumos importados e a falta de novos planos para futuras aquisições.

Analistas da Eleven Financial e a Suno Research também se mostraram céticos com o potencial de valorização do papel e não aconselham a entrada no IPO. “Nossa recomendação é de não participação na oferta, pois o upside no ponto médio da faixa não nos parece justificar a relação risco x retorno de investimento em um papel estreante na bolsa”, apontaram Eric Huang, Talles Granelo e Carlos Daltozo da Eleven Financial.

Para Rodrigo Wainberg, analista da Suno Research, não há dúvidas que a companhia é uma empresa de ponta. Contudo, afirma que a faixa de preços estipulada não dá uma margem de segurança suficiente para investir na ação. “Decidimos acompanhar como serão feitas as aquisições e os resultados da empresa com isso, mas num primeiro momento vamos ficar fora da oferta”.

Afinal, a companhia é boa ou não para investir? Trouxemos alguns dados para que o investidor tire as suas próprias conclusões.

Sobre a oferta

A Intelbras vai ofertar 72 milhões de ações ordinárias em dois blocos:

  • Oferta primária (quando os recursos vão para o caixa da companhia): 64% das ações, com a expectativa de levantar R$ 793,5 milhões, considerando o preço médio da faixa indicativa.
  • Oferta secundária (quando os atuais sócios vendem parte da sua participação e embolsam os recursos): 36% das ações, estimada em R$ 448,5 milhões. Com a conclusão da oferta, a participação dos acionistas controladores, da família Freitas, será diluída podendo chegar a 61% do capital da empresa.

Após a oferta pública inicial, a fabricante terá um free float  (percentual de ações emitidas em circulação) entre 26,3% e 30%, disponível para qualquer investidor comprar.

A família Freitas deve permanecer sob posse de 61% das ações e a Dahua Technology, parceira da Intelbras, permanecerá com quase 9% da companhia.

Para onde vai o dinheiro?

De acordo com o informado pela Intelbras em prospecto, pelo menos R$ 751 milhões levantados na oferta primária serão utilizados nos seguintes projetos:

  • 36% para crescimento inorgânico: são as aquisições que a companhia pretende realizar. Durante a sua trajetória de 40 anos, a empresa adquiriu 5 companhias de segmentos diversos (Maxcom, Automatiza, Engesul, Décio, Seventh) e manteve seus fundadores à frente das operações. No entanto, no momento não há nenhuma nova negociação em andamento.
  • 26% para expansão de capacidade produtiva: ampliação de capacidade industrial e processos produtivos e de automatização especialmente nas plantas de Santa Catarina, Minas Gerais e Amazonas.
  • 21% para aquisição de unidades “hardware como serviço”: comercialização e distribuição de equipamentos de TI sem necessidade de compra, investimentos na área comercial e de desenvolvimento de produtos.
  • 17% para área administrativa e de TI: expansão de times, desenvolvimento de e-commerce e investimento nos canais de varejo.

Vantagens da Intelbras

Entre as principais vantagens de investir na fabricante, a Eleven Financial destaca a liderança que a companhia tem nas diversas categorias em que atua. (veja na tabela segmentos de atuação). A Intelbras se consolidou na área de segurança eletrônica, comunicação, controles de acesso e redes, na qual tem uma participação de mercado superior a 20%. “Isso lhe garante melhores condições comerciais tanto de fornecedores como nos canais de venda”, apontam os analistas da casa.

Segurança Comunicação Energia
R$ 777 mi (53%) R$ 544 mi (37%) R$ 142 mi (10%)
Segurança eletrônica
DVR
• Câmera de vídeo
• Alarmes de intrusão
• Sensor de presença
Redes
Roteador Wi-fi
• OLT – fibra ótica
Switch
• Rack – data center
Energia
• Nobreak
• Baterias
• Cabos USB
• Luminárias LED
Controles de acesso
• Porteiro residencial
• Vide porteiro
• Controlador de acesso facial
• Fechadura digital
Comunicação
• Audiocônferência
• Rádio comunicador
• Speakers
• Controle universal para eletrônicos (TV, box de tv a cabo, etc)
Energia solar
• Soluções on-grid e offgrid:
• Painéis solares • Inversor solar

Fonte: Eleven Financial

Outro ponto forte da companhia é seu bom histórico de aquisições. Foram compradas pelo menos 5 companhias desde sua fundação, e se a empresa for seletiva no uso desses 36% do IPO em boas oportunidades, pode gerar mais lucro e crescimento do seu portfólio.

Portfólio que é bem diversificado, a terceira vantagem da companhia. A Eleven avalia que os planos de adquirir novas unidades para “hardware como serviço” podem beneficiar muito a companhia. “É uma tendência crescente do mercado de tecnologia substituir as aquisições de equipamentos por subscrições”, afirma a casa de análise. A estratégia pode trazer uma linha de receitas recorrentes, o que auxiliaria no planejamento financeiro da Intelbras.

Rodrigo Wainberg da Suno Research destaca também entre as vantagens competitivas, os investimentos de 10% do lucro que historicamente a empresa faz em pesquisa e desenvolvimento de novos produtos. Em um segmento onde a inovação precisa ser constante e rápida, ele explica que 70% do faturamento da empresa é fruto de itens desenvolvidos internamente. “Isso graças ao time de pesquisa que foi montado há mais de 40 anos e conta com cerca de 400 profissionais”, reforça

Segundo Wainberg, a Intelbras também goza de boa reputação quando o assunto é suporte ao cliente, com bom desempenho no site de queixas contra companhias Reclame Aqui e no NTS (Net Promoter Score), que mede a lealdade do cliente, mostrando que a companhia vive um ciclo virtuoso.

E quando se fala de mercados em expansão, a fabricante possui dois carros chefes: o mercado de câmeras IP e portarias remotas, com forte potencial de crescimento, um salto de 12% em 2020.

E o mercado de energia solar, a companhia ingressou em 2019 com painéis solares e inversores e já faturou R$ 49,9 milhões, 44% da receita da sua unidade de Energia. Com o consumidor de olho nas energias renováveis, a Eleven Financial avalia que esta linha deve ter forte potencial de crescimento.

Motivos para ficar de fora da ação

Apesar de a empresa ser sólida e ter tantos benefícios como apresentado acima, existem alguns empecilhos que podem colocar o negócio por água abaixo. Por este motivo, as casas de análise consultadas ficam com um pé atrás na hora de optar pelo IPO da companhia. Entre as principais desvantagens estão:

  • Mercado aberto a concorrentes estrangeiros: o Brasil não possui barreiras para que players estrangeiros, como os países asiáticos, iniciem suas operações no país ou importem seus produtos. Se comparamos a Intelbrás com algum destes países que possui mão de obra boa e barata, além de eficiência tecnológica, a companhia pode perder muito mercado.
  • Câmbio elevado: A Intelbras é muito dependente de matéria-prima e produtos acabados ou semiacabados em dólar, exposta a variações cambiais e redução de retornos. A dívida também está exposta em dólar com um empréstimo de US$ 18 milhões com o Citibank. Se o real desvaloriza frente ao dólar, a dívida sobe.
  • Perda de benefícios fiscais: O sucesso da receita nos últimos anos foi graças a incentivos fiscais e isenções. Em 2019, por exemplo, recebeu benefícios e incentivos R$ 142,7 milhões, o equivalente a 75,4% do seu lucro líquido. A ausência destes benefícios, em tempos nos quais o governo procura arrecadar, pode afetar drasticamente a rentabilidade da empresa.
  • Necessidade de planos de inovação e aquisição: Mesmo apontando que destinará 36% dos recursos para aquisições, a companhia ainda não tem nenhuma negociação em andamento. E em um mercado no qual produtos e soluções se tornam rapidamente obsoletos, são urgentes estratégias para não perder espaço e aceitação

 

 

Origem: Invest News

 

Engº Marcelo Marcelo Peres

mpperes@guiadocftv.com.br

GuiadoCFTV

Por favor avalie esta notícia, mande seus comentários e sugestões. Encontrou alguma informação incorreta ou algum erro no texto?

Gostaria de sugerir alguma notícia ou entrar em contato, clique Aqui!

Importante:

Todos os Conteúdos divulgados decorrem de informações provenientes das fontes aqui indicadas, jamais caberá ao Guia do CFTV qualquer responsabilidade pelo seu conteúdo, veracidade e exatidão. Tudo que é divulgado é de exclusiva responsabilidade do autor e ou fonte redatora.’

Eng° Marcelo Peres

Eng° Eletricista Enfase em Eletrônica e TI, Técnico em Eletrônica, Consultor de Tecnologia, Projetista, Supervisor Técnico, Instrutor e Palestrante de Sistemas de Segurança, Segurança, TI, Sem Fio, Usuário Linux.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.