40% dos notebooks no Brasil são ilegais, segundo IBL

De acordo com o Instituto Brasil Legal, o País perdeu cerca de 656
milhões de dólares com sonegação de impostos na venda de notebooks
ilegais em 2008. Para este ano, o cenário é mais “preocupante”, na
visão da entidade, em virtude da Lei dos Sacoleiros e da falta de
medidas impeditivas à prática de contrabando por parte do Governo.

O IBL estima que 40% dos notebooks que circulam no Brasil são ilegais e que 35% dos desktops também o são. Segundo Edson Vismona, presidente do instituto, essa porcentagem é decorrente de um acréscimo da ilegalidade no último ano, depois de um longo período em que a proporção vinha caindo.

“O mercado ilegal vinha diminuindo desde 2004, quando a porcentagem de produtos eletroeletrônicos e de informática irregulares circulando no País era de 74%”, diz Vismona. Em 2005, segundo ele, esse montante caiu para 61%, em 2006 foi 50%, em 2007 baixou para 30% e em 2008 voltou a crescer, atingindo os 35%.

Para ele, a quantidade de equipamentos ilegais circulando no Brasil aumentou em virtude do crescimento nas vendas desses produtos no ano passado. Somente com notebooks, por exemplo, o volume de equipamentos ilegais vendidos foi quase 4 vezes maior do que os legais: 728.972 é o mercado total e 152.537 os produtos declarados à Receita Federal. Uma diferença de 578.828 unidades. Esses números são o confronto do que estima a própria RF (declarados) com o que estima o ITDATA (consumo do mercado).

Dessa forma, a RF registrou importação de 12 mil notebooks por mês em 2008. “Enquanto isso, o líder de mercado – que é importado e nem sequer tem representação no Brasil – vendeu 44 mil máquinas ao mês, segundo a consultoria IDC”, diz Vismona. “E esse resultado é impossível de ser conseguido legalmente, uma vez que um produto importado, pagando todos os impostos previstos e estando adequado aos padrões exigidos no Brasil, deveria custar 57% mais do que o nacional”. Ele salienta que esses produtos são vendidos, em média, por valores 20% mais baixos.

Falta de medidas
Na visão do especialista, o aumento da ilegalidade é resultado da falta de medidas por parte dos órgãos governamentais. “Indicamos a utilização de scaners para contêineres nos principais portos brasileiros, mas, ao invés da RF abrir licitação para uma empresa prestadora de serviços instalar e manutenir os equipamentos, a abriu para comprá-los, registrando estimativa de custo absurdo e, conseqüentemente, o projeto foi reprovado”, diz.

Lei dos Sacoleiros
Quanto à Lei 11.898, de 08/01/2009 sancionada pelo Presidente Lula e conhecida como "Lei dos Sacoleiros", o IBL também foi contra. Isso porque, para a instituição, a medida permite a importação mediante pagamento unificado de impostos e contribuições federais para produtos vindos do Paraguai, o que seria uma “caminhada na contramão de todo o esforço que está sendo feito no Brasil no combate à ilegalidade”.

Como saber se um notebook é legal

1. Verifique se os cabos são certificados pelo INMETRO;
2. Verifique se o produto é homologado pela Anatel; há um símbulo fazendo a identificação;
3. Verifique se o teclado tem "ç", como indica a ABNT.

 

Origem: IPNews


Marcelo Peres
Editor do Guia do CFTV

Avalie esta notícia, mande seus comentários e sugestões. Encontrou alguma informação incorreta ou algum erro no texto?

Escreva para mim:
mpperes@guiadocftv.com.br

Importante:

‘Todos os Conteúdos divulgados decorrem de informações provenientes das fontes aqui indicadas,
jamais caberá ao Guia do CFTV qualquer responsabilidade pelo seu conteúdo, veracidade e exatidão.
Tudo que é divulgado é de exclusiva responsabilidade do autor e ou fonte redatora.’

Eng° Marcelo Peres

Eng° Eletricista Enfase em Eletrônica e TI, Técnico em Eletrônica, Consultor de Tecnologia, Projetista, Supervisor Técnico, Instrutor e Palestrante de Sistemas de Segurança, Segurança, TI, Sem Fio, Usuário Linux.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.