As tomadas residenciais vão mudar

A novidade faz parte do novo padrão de tomadas e plugues adotado pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), semelhante ao modelo alemão.

Com a mudança, as tomadas terão três saídas e os plugues dos eletrodomésticos três pinos. A terceira saída da tomada permite o aterramento das instalações para prevenir contra choques elétricos. Mais segurança trará custo para o bolso do consumidor. A estimativa da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee ) é de que as tomadas e plugues fiquem entre 15% e 20% mais caras.

O consumidor não precisa fazer a troca das tomadas de forma imediata. A máxima de quem tem prazo não tem pressa pode ser aplicada. Pelo cronograma do Instituto Nacional de Metrologia (Inmetro), o prazo para os fabricantes deixarem de fornecer as peças antigas começa no dia 1º de agosto com os plugues de dois pinos desmontáveis e prossegue até 1º de janeiro de 2010, quando todos os equipamentos devem estar adequados à norma ABNTBR 1.4136/2002. Após esse prazo, as tomadas e plugues em desacordo com o novo modelo serão recolhidos definitivamente do mercado.

A definição do novo padrão das instalações elétricas foi decidida pela ABTN após ampla discussão com fabricantes, órgãos de pesquisas e entidades que representam os consumidores. O argumento principal para a troca é a segurança. Hoje existem mais de sete modelos de tomadas e plugues comercializados no mercado. Além disso, não há a obrigatoriedade do fio terra. Outro detalhe importante: as tomadas de duas saídas permitem o contato com os pinos dos plugues dos eletrodomésticos, o que pode causar choques, em alguns casos até fatais.

Definição do padrão foi da ABTN após discussão com fabricantes, órgãos de pesquisas e entidades que representam os consumidores

Para o técnico do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), Marcos Pó, do ponto de vista do consumidor, a unificação dos modelos de tomadas e plugues é benéfica. Ele destaca, no entanto, que existe a preocupação de que a adapatação ao novo padrão das instalações elétricas possa onerar o bolso da população. O técnico alertaque se houver dificuldade de adaptação, as pessoas vão recorrer às gambiarras e tornará o sistema ainda mais inseguro. “Não tem motivo para que os novos modelos fiquem mais caros, a não ser que haja oportunismo dos fabricantes”, dispara.

É bom lembrar que grande parte dos eletrodomésticos comercializados hoje no país já possuem o plugue com três pinos. Nesse caso, para usá-los o consumidor tem que comprar um adaptador com certificação do Inmetro ou trocar a tomada de duas saídas pela de três. “Estamos no processo inicial e a troca deverá ser feita paulatinamente. As pessoas não precisam se desesperar para mudar de uma só vez todas as tomadas de casa”, recomenda o técnico do Idec.

O professor Pedro Rosas, do Departamento de Engenharia da UFPE, diz que o novo padrão é mais seguro para as pessoas porque as casas serão obrigadas a ter o aterramento, o que reduz a intensidade do choque. “Incialmente vai causar dor de cabeça às pessoas. Além disso, o consumidor vai ser onerado com a compra de adaptadores e das novas tomadas “, argumenta. Rosa acrescenta que serão colocadas à disposição das pessoas com o novo padrão duas opções de corrente: dez ampéres (pequena corrente) e vinte ampéres (grande corrente).

Fonte: http://www.radiocriciuma.com.br/portal/vernoticia.php?id=4655

Marcelo Peres
Editor do Guia do CFTV

Avalie esta notícia, mande seus comentários, de suas sugestões. Encontrou alguma informação incorreta ou algum erro no texto?

Escreva para mim:
mpperes@guiadocftv.com.br

Eng° Marcelo Peres

Eng° Eletricista Enfase em Eletrônica e TI, Técnico em Eletrônica, Consultor de Tecnologia, Projetista, Supervisor Técnico, Instrutor e Palestrante de Sistemas de Segurança, Segurança, TI, Sem Fio, Usuário Linux.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.