Tráfico também usa câmeras

PMs encontraram equipamentos que davam segurança em bocas-de-fumo da Vila Asa Branca, em Porto Alegre.

Traficantes de drogas de Porto Alegre estão adotando o circuito fechado de TV para monitorar bocas-de-fumo. Na manhã de ontem, dois policiais militares estouraram um ponto de venda de entorpecentes que era guarnecido por duas câmeras, na Vila Asa Branca, na Zona Norte. Já houve caso semelhante este ano.

O sargento José Peixoto e o soldado Paulo Roque de Almeida, do 20º Batalhão de Polícia Militar (BPM), passavam diante da Vila Asa Branca quando viram cinco jovens em atitude suspeita. Ao se aproximarem, os quatro rapazes e uma mulher escaparam por um beco, escondendo-se numa casa.

– Eles fugiram com armas nas mãos – contou o sargento Peixoto.

Ao entrarem na casa, pelas 7h30min, os PMs encontraram duas câmeras, uma TV, uma escopeta calibre 12, um revólver 32, uma arma de brinquedo, munição, dois celulares, uma toca ninja, quatro buchas de crack e R$ 83,40 em cédulas.

Os suspeitos não reagiram e foram levados à 3ª Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento (DPPA). Dos cinco, foram autuados em flagrante Alex dos Santos Barbosa, 18 anos, apontado como o responsável pela boca-de-fumo, e Ricardo dos Santos Vargas, 23 anos. Eles responderão por porte ilegal de armas e drogas. Os outros três servirão de testemunhas.

Familiares dos detidos correram à 3ª DPPA. Culpando as más companhias, lembraram que a Vila Asa Branca está sendo dominada pelo tráfico de drogas.

– Eles não dão bola para conselhos, não ouvem ninguém. Agora, prefiro ver ele assim, preso, do que morto – disse uma familiar, preferindo não se identificar.

Não foi a primeira descoberta de uso de câmeras em pontos de venda de tóxicos. No início de março, agentes da 22ª Delegacia da Polícia Civil desbarataram uma boca-de-fumo na Vila São Borja, perto da Asa Branca, que tinha um circuito fechado de TV com seis câmeras.

Os delinqüentes recorreram à tecnologia para monitorar os passos da própria comunidade, as batidas policiais e as incursões de bandos rivais. Em alguns casos, empregam câmeras dotadas de lentes do tipo grande angular, que captam não só o que está em frente, mas também ao redor da aparelhagem, oferecendo visão lateral.

Fonte: www.clicrbs.com.br

Marcelo Peres
Editor do Guia do CFTV

Avalie esta notícia, mande seus comentários, de suas sugestões. Encontrou alguma informação incorreta ou algum erro no texto?

Escreva para mim:
mpperes@guiadocftv.com.br

Eng° Marcelo Peres

Eng° Eletricista Enfase em Eletrônica e TI, Técnico em Eletrônica, Consultor de Tecnologia, Projetista, Supervisor Técnico, Instrutor e Palestrante de Sistemas de Segurança, Segurança, TI, Sem Fio, Usuário Linux.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.