Quantas câmeras gravam tudo o que você faz durante o dia?

Em reportagem do programa Fantástico da Rede Globo é analisado o tema da segurança eletrônica e CFTV no cotidiano das pessoas.

Essa tecnologia está entrando cada vez mais no cotidiano das pessoas.
Agora as câmeras apontam suas lentes para a psicologia do terror.

Um motorista erra o
caminho e entra no túnel pela contramão. Isso aconteceu na última
terça-feira (21), na estrada que liga São Paulo à Baixada Santista. O
carro andou um quilômetro e meio no sentido errado. O motorista só não
provocou um acidente grave, porque câmeras de segurança flagraram a
imprudência.

“Dois minutos e meio após essa situação, nós já estávamos com a viatura da Polícia Rodoviária no local”, afirma

O
Brasil tem hoje cerca de 1,3 milhões de câmeras de vigilância, segundo
estimativa da associação das empresas do setor. Até poucos anos atrás,
muita gente que não percebia que está sendo vigiada, como um casal que
resolveu namorar em plena Ponte Rio-Niterói.

Imagens gravadas em Praia Grande, São Paulo, mostram um casal cometendo
excessos. Graças à câmera, a polícia acaba com a pouca vergonha.

“Quando a pessoa está em local público, seu direito à privacidade, seu
direito à imagem sofre uma redução” acredita Carlos Affonso Pereira de
Souza, representante do Centro de Tecnologia e Sociedade da Fundação
Getúlio Vargas (FGV).

Ainda em Praia Grande, rapazes pelados e moças de calcinha e sutiã se
comportam como se estivessem sozinhos no mundo. Mas o olho eletrônico
vê tudo.

Quantas câmeras estão de olho em nossa vida? Para fazer essa conta, o
Fantástico convidou a advogada Aline Carvalho, no Rio de Janeiro. Da
entrada do prédio em que trabalha até a porta do escritório, ela passa
por sete câmeras.

De tarde, Aline vai à academia de ginástica. São mais três câmeras. Num
pulo no shopping center, flagramos pelo menos outras quatro – mas olha
que shopping tem centenas delas.

Aline para no posto de gasolina antes de voltar para casa – duas
câmeras. Enfim, ao entrar em casa, mais sete câmeras. Entre idas e
volta, num dia normal Aline passa diante de, pelo menos, 25 câmeras.
Isso sem contar as câmeras que monitoram o trânsito.

“Fico até sem graça. Eu imaginava que iria passar pelas câmeras, mas não tantas”, comenta Aline.

“Você
tem direito à privacidade, salvo se existe alguma forma de comunicação
que retire essa expectativa de privacidade. Por isso, é tão comum esses
avisos dizendo Sorria, você está sendo filmado’”, afirma Pereira de
Souza.

A empresa Google lançou um serviço que anexa
fotografias aos mapas das ruas de todo o mundo. As fotos são tiradas
por carros, que já começaram a circular em cidades brasileiras.

Fora do Brasil, o Google está enfrentando ações judiciais por violação
da privacidade. Uma mulher teve uma parte de sua intimidade exibida
quando saía do carro. Um homem foi flagrado pelas lentes da empresa
saindo de uma sex shop.

“Boa parte dessas ações foi julgada improcedente por entender que a
pessoa estava em local público. Por estar em local público, sua esfera
de proteção da privacidade é reduzida”, aponta Pereira de Souza.

Isso não quer dizer que não exista privacidade e não exista direito à
imagem. Cada caso é um caso que precisa ser analisado, justamente para
se diferenciar o que se faz com a coleta e o que se faz depois com a
utilização dessa imagem.

As câmeras de segurança estão cada vez mais poderosas. As cem câmeras
da Polícia Militar de São Paulo são capazes de captar uma imagem a uma
distância de até quatro quilômetros.

No Rio de Janeiro, a Polícia Militar tem quase 300 câmeras em 26
batalhões. Os policiais que monitoram as ruas eletronicamente também
são monitorados.

“A gente pode olhar quem despacha as viaturas e os operadores das
câmeras dos batalhões. Quanto mais olhos, melhor para nós”, afirma
Roberto Sá, subsecretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro.

“Espero que não adentre minha residência. Isso é que eu espero”, comenta a advogada Aline Ribeiro.

 

Origem: Globo.com

 
Marcelo Peres
Editor do Guia do CFTV

Avalie esta notícia, mande seus comentários e sugestões. Encontrou alguma informação incorreta ou algum erro no texto?

Escreva para mim:
mpperes@guiadocftv.com.br

Importante:

‘Todos os Conteúdos divulgados decorrem de informações provenientes das fontes aqui indicadas,
jamais caberá ao Guia do CFTV qualquer responsabilidade pelo seu conteúdo, veracidade e exatidão.
Tudo que é divulgado é de exclusiva responsabilidade do autor e ou fonte redatora.’

 

Eng° Marcelo Peres

Eng° Eletricista Enfase em Eletrônica e TI, Técnico em Eletrônica, Consultor de Tecnologia, Projetista, Supervisor Técnico, Instrutor e Palestrante de Sistemas de Segurança, Segurança, TI, Sem Fio, Usuário Linux.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.