Axis: open source é o caminho

A Axis, fabricante sueca de soluções de vídeo para ambientes de rede e líder mundial em network video, com 33,5% de market share, aposta em abertura de códigos para manter a expansão.

Para isso, a empresa, cujo maior mercado, em termos de crescimento, é hoje a América do Sul, sendo 52% das vendas desta região realizadas no Brasil, criou o Onvif (Open Network Video Interface Forum).

O Forum, criado em novembro de 2008 junto a Bosch e Sony, hoje conta com 100 empresas que, segundo a IMS Research, movimentam 60% da receita mundial de equipamentos de vigilância por vídeo em rede. Entre elas, nomes como Cisco, Panasonic, Canon, Samsung e Siemens.

“Com o padrão Onvif, podemos ter câmera de um fabricante, decodificador de outro e nada de incompatibilidades”, conta o fundador da Axis e inventor da câmera IP, Martin Gren. "Deste fórum, podem participar empresas de qualquer porte", complementa.

Até agora, o Onvif já gerou um produto: uma atualização da câmera P3301, uma das mais populares da marca, que agora pode ser instalada com codificadores, sistemas de gerenciamento e outros itens de empresas distintas.

Na mesma linha de código aberto, a Axis também anunciou o Open Application Platform. Funciona assim: a fabricante sueca fornece o Software Development Kit para desenvolvedores interessados em programar softwares para seus produtos e, a partir daí, as soluções que tiverem o selo da plataforma, poderão ser turbinadas através do download de aplicativos compatíveis com toda a linha Axis.

“A plataforma suporta aplicativos de análise de vídeo que oferecem recursos inteligentes, como reconhecimento de algum objeto pré-determinado, contagem de pessoas, detecção e acompanhamento de movimento”, detalha Johan Paulsson, executivo da área de tecnologia da empresa européia. “Ela será implementada na maioria dos nossos produtos em 2010”, complementa.

Pioneirismo
Conforme Gren, a Axis é a primeira empresa a abrir totalmente seus produtos de vídeo em rede para aplicativos de terceiros.

A meta, segundo ele, é permitir que os mais de 27 mil parceiros em todo o mundo – dos quais 1124 integradores são sul-americanos, sendo 440 só no Brasil -, além dos usuários finais, selecionem a melhor combinação de câmera e aplicativo, ou codificador e aplicativo, para suas necessidades.

Crescimento
Com tudo isso, a Axis, que já vendeu 3 milhões de câmeras em todo o mundo, se prepara para crescer 40% em 2009, o que parece estar dando muito certo – de janeiro a setembro, foram US$ 543 milhões em vendas globais.

Foco no Brasil
O sueco, que esteve em São Paulo nesta terça-feira, 03, também destacou o otimismo da empresa em relação ao Brasil.

Segundo projeções da IMS Research, o mercado de câmeras IP do país terá, pelo menos até 2012, o crescimento mais acelerado de todo o continente americano. “É aqui que as câmeras IP irão se igualar às analógicas primeiro, antes mesmo do que nos Estados Unidos”, comemorou Gren.

Pesquisa e presença reforçadas
Mas nem só de open source se alimenta a estratégia: a companhia também investe em pesquisa, setor para o qual destina cerca de 15% de seu faturamento anual, e expansão física.

Na América do Sul, por exemplo, está em vias de abertura um novo escritório.

“Hoje, nossa sede para a região fica em São Paulo, mas também temos unidades em Buenos Aires e Bogotá e, até o fim deste ano, abriremos em Santiago, Chile”, conta Alessandra Faria, diretora da Axis para o mercado sul-americano.

Com escritórios próprios em 20 países e presente via distribuidores, integradores e parceiros OEM em 70 países, a Axis emprega mais de 500 funcionários. Hoje, os mercados fora da Suécia respondem por mais de 95% das vendas da companhia. No Brasil, as soluções são distribuídas pela Anixter, CNT e Network1.

Lançamentos
Só este ano, a Axis realizou mais de 30 lançamentos de soluções, segundo a vice-presidente global de Vendas, Bodil Sonesson.

Entre eles, os mais recentes são a já citada nova versão da câmera P3301, que agora tem sensor inteligente que detecta tentativas de bloquear a câmera e alimentação via cabo de rede Ethernet, o que dispensa a instalação de cabo elétrico, e a P5534.

Esta última câmera segue o padrão HDTV, usado pela TV digital, para sistemas de monitoramento interno. O lançamento faz gravações em alta definição e tem funções como detecção de movimento, giro e inclinação do ângulo de gravação, além de zoom digital de até 18 vezes e ótico de 12 vezes.

A câmera ainda volta a gravar em plano aberto (zoom out) após um período de inatividade pré-configurado, além de transmitir as imagens por redes e pela Internet.

Segundo Bodil, é um equipamento adequado para vigilância de aeroportos, estações de trem, depósitos, lojas e escolas.

Gláucia Civa cobriu a vinda do fundador da Axis, Martin Gren, ao Brasil a convite da Axis Communications.

 

Clipping do Baguete Diário

 

Origem: www.baguete.com.br

 
Marcelo Peres
Editor do Guia do CFTV

Avalie esta notícia, mande seus comentários e sugestões. Encontrou alguma informação incorreta ou algum erro no texto?

Escreva para mim:
mpperes@guiadocftv.com.br

Importante:

‘Todos os Conteúdos divulgados decorrem de informações provenientes das fontes aqui indicadas,
jamais caberá ao Guia do CFTV qualquer responsabilidade pelo seu conteúdo, veracidade e exatidão.
Tudo que é divulgado é de exclusiva responsabilidade do autor e ou fonte redatora.’

Eng° Marcelo Peres

Eng° Eletricista Enfase em Eletrônica e TI, Técnico em Eletrônica, Consultor de Tecnologia, Projetista, Supervisor Técnico, Instrutor e Palestrante de Sistemas de Segurança, Segurança, TI, Sem Fio, Usuário Linux.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.