Dez razões do sucesso das câmeras em rede IP

Veja o porquê de tamanho crescimento em projetos de monitoramento IP que abandonam rapidamente a obsoleta tecnologia analógica.

A primeira câmera em rede foi lançada em 1996. No início, ela não estava à altura das câmeras analógicas de nível profissional. Inicialmen­te projetadas para tirar proveito de imagens digitais, da rede e da Internet em novas áreas de aplicação, essas câmeras não eram usadas para aplicativos de vigilância. Isso mudou radicalmente. Agora, as câme­ras de rede alcançaram a tecnologia das analógicas e atendem aos mesmos requisitos e especi­ficações e, como veremos abaixo, as câmeras de rede superaram o de­sempenho das analógicas. Neste artigo vamos explorar as dez diferenças funcionais mais importantes entre as câmeras de rede atuais e suas antigas primas analógicas, além da importância de entender esses fatores ao realizar o investimento na próxima câmera.

 

1- Fim dos problemas de entrelaçamento

Uma câmera analógica em alta resolução (4CIF) possui um problema significativo com o entrelaçamento. Isso acontece porque em um sinal de vídeo analógico, mesmo quando conectado a um DVR, todas as ima­gens são compostas por linhas e cada imagem é formada por dois campos entrelaçados. Quando há muito movimento em uma imagem, ela fica borrada. Já as câmeras de rede empregam a tecnologia de “varredura progressiva”: toda a imagem é capturada de uma única vez, propor­cionando vídeo nítido mesmo quando há movimento intenso.

 

2- Aumento da economia e da confiança com o Power over Ethernet

Graças ao PoE, o mesmo cabo de rede pode ser usado para vídeo, dados e energia, o que diminui os custos de instalação e cabeamento. O PoE não está disponível para câmeras analógicas. Em um aplicativo de vigilância, o PoE fornece um benefício adicional: as câmeras podem obter energia de backup centralizada da sala de servidores. Assim, no caso de falta de energia, elas continuarão a funcionar.

 

3- Resolução megapixel e recursos HDTV

As câmeras analógicas trabalham com as especificações NTSC/PAL, com uma resolução correspondente a 0,4 megapixels em 4CIF. Porém, as câmeras de rede líderes atualmente oferecem recursos de HDTV total de acordo com os padrões HDTV da SMPTE (Resolução de 1280 x 720 ou 1920 x 1080 pixels em formato 16:9). Isso garante que o investimento no sistema de segurança não será desperdiçado pelo fato do rosto de um cri­minoso ou o que ele está carregando não poderem ser discernidos. O au­mento na resolução da câmera de rede também possibilita funções como panorama, inclinação e zoom.

 

4- Câmeras com inteligência incorporada

Câmeras de rede podem ter detecção de movimento e gerenciamento de alarme padrão integrados, para que a câmera decida quando enviar vídeos, qual a taxa de quadros e resolução a ser usada e quando alertar um determinado operador para monitoramento e/ou resposta. Outro aplica­tivo útil de vídeo inteligente é o alarme contra violações, que permite que a câmera envie automaticamente um alerta quando sofrer pintura com tinta spray ou outro dano externo, por exemplo. Algoritmos mais inteligentes estão sendo integrados às câmeras de rede, como o reconhecimento de placas de carro, contagem de pessoas, rastreamento de objetos, etc.

 

5- PTZ integrado e controle de entrada/saída

Em câmeras PTZ analógicas, a comunicação serial que controla o movimento PTZ demanda cabeamento separado do sinal de vídeo, o que é caro e ineficiente. A tecnologia de câmera de rede possibilita o contro­le PTZ na mesma rede que transposta o vídeo. Em câmeras de rede de domo PTZ, os comandos PTZ são enviados através da rede IP. Tudo isso resulta em menos cabos, menos dinheiro gasto e aumento na funcionalidade e no potencial de integração.

 

6-Áudio integrado

Em sistemas analógicos, não há áudio a não ser que possua linhas independentes de áudio no DVR. As câmeras de rede solucio­nam esse problema capturando áudio na câmera, sincronizando-o com o vídeo ou integrando-o ao mesmo fluxo de vídeo e depois o enviando novamente para monitoração e/ou gravação através da rede. O áudio da câmera em rede também pode ser totalmente bidirecional para permitir a comunicação pelos alto-falantes.

 

7- Comunicação segura

Em câmeras analógicas, o sinal de vídeo é transportado através de um cabo coaxial sem nenhuma cripto­grafia ou autenticação. Dessa forma, qualquer um pode acessar o vídeo ou pior, substituir o sinal de uma câmera por outro sinal de vídeo (algumas pessoas se recordarão disso no filme Onze Homens e um Segredo). Em um cenário de vídeo em rede, a câmera pode criptografar o vídeo enviado pela rede para garantir que este não poderá ser visualizado ou alterado.

 

8- Opção de infraestruturas econômicas e flexíveis

O vídeo analógico é normalmente transmitido através de cabos coaxiais caros, fibras específicas ou meca­nismos sem fio, métodos em que a distância influenciará na qualidade da imagem. Sistemas digitais baseados em IP padrão superam esses obstáculos com um custo muito mais baixo e com muito mais opções. Como visualizar imagens de sites de qualquer parte do mundo? A câmera de rede produz imagens digitais, assim não há redução de qualidade devido à distância.

 

9-Uma verdadeira solução digital

Em uma câmera analógica, o sensor CCD gera um sinal analógico que é digitalizado por um conversor A/D para possibilitar a função de aprimoramento da imagem em um processador de sinais digitais (DSP). Depois o sinal é convertido novamente em analógico para ser transportado através de um cabo coaxial. Por fim, o sinal é digitalizado no DVR para gravação. São 3 conversões no total, e cada con­versão gera uma perda na qualidade da imagem. No sistema de câmeras de rede, as imagens são digita­lizadas uma única vez e permanecem no formato digital, sem conversões desnecessárias e nenhuma degradação da imagem.

 

10- Menor custo total de propriedade

O preço inicial de uma câmera de rede pode ser alto se você considerar somente a câmera. Mas ao comparar o custo por canal e a câmera de rede, com sua flexibilidade e desempenho superior, o preço rapidamente se torna comparável a um sistema analógico ancorado por um DVR. Estudos mostram que em configurações de sistemas com mais de 32 câmeras, o custo inicial de um sistema de vigilância baseado em câmeras de rede é até inferior quando comparado às opções analógicas. Esse custo total menor é basicamente resultado do armazenamento e aplica­tivos especializados que podem ser executados no padrão da indústria, servidores baseados em sistemas abertos, e não em hardware proprietário como um DVR.

 

O futuro pertence às câmeras de rede – e ele já chegou

Após o rápido crescimento do mercado nos últimos anos, as câmeras de rede representam atualmente de 15 a 20% de todas as câmeras de vigilância vendidas no mercado global. De acordo com o relatório de 2008 do IMS Research, a taxa de crescimento dos produtos de vídeo em rede deve al­cançar a média de 35% nos próximos cinco anos.

O gerenciamento de segurança via IP representa o futuro do gerenciamento de segurança avançado, con­forme sua compreensão e implementação aumentam. A câmera analógica, por outro lado, demonstra falta de flexibilidade e desempenho que não atendem às necessidades dessa nova era. Conforme as câmeras de rede distanciam a captura de quadros, a qualidade de imagem e os recursos de inteligência do DVR, os sistemas poderão se expandir mais facilmente e os consumidores poderão usar servidores de padrão indus­triais de baixo custo para gravação e armazenamento, além de escolher entre um número grande de sof­twares de gerenciamento de vídeo e análise.

 

*Desenvolvido pela equipe técnica da Axis Communications – matriz Suécia

 

Sobre a Axis Communications

Fundada em 1984, na Suécia, a Axis Communications é uma empresa de TI que oferece soluções de vídeo para ambientes de rede em instalações profissionais. Líder mundial em seu segmento, a companhia orienta a mudança do vídeo analógico para digital com produtos e soluções focados em vigilância e monitoramento remoto.

A Axis opera globalmente com escritórios próprios em mais de 20 países e em parceria com distribuidores, integradores de sistemas e via parceiros OEM em 70 países. Os mercados fora da Suécia respondem por mais de 95% das vendas e mais de 3 milhões de câmeras já foram vendidas em todo mundo.

Atualmente, suas soluções são distribuídas no país pela CNT Brasil, Anixter e Network1. Para mais informações, acesse www.axis.com.

 


Por Equipe Técnica da Axis Communications*

Origem: Capital Informação

 
Marcelo Peres
Editor do Guia do CFTV

Avalie esta notícia, mande seus comentários e sugestões. Encontrou alguma informação incorreta ou algum erro no texto?

Escreva para mim:
mpperes@guiadocftv.com.br

Importante:

‘Todos os Conteúdos divulgados decorrem de informações provenientes das fontes aqui indicadas,
jamais caberá ao Guia do CFTV qualquer responsabilidade pelo seu conteúdo, veracidade e exatidão.
Tudo que é divulgado é de exclusiva responsabilidade do autor e ou fonte redatora.’

Eng° Marcelo Peres

Eng° Eletricista Enfase em Eletrônica e TI, Técnico em Eletrônica, Consultor de Tecnologia, Projetista, Supervisor Técnico, Instrutor e Palestrante de Sistemas de Segurança, Segurança, TI, Sem Fio, Usuário Linux.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.