Britânicos questionam o Estado Big Brother

Atualmente, a Grã-Bretanha tem uma câmera de vigilância de tevê para cada 14 habitantes, a proporção mais alta do planeta. Mas o debate político sobre isso foi reavivado com a escuta pela Polícia de um deputado trabalhista que visitava suspeito de terrorismo na prisão.

Uma polêmica deflagrada na Grã-Bretanha após a revelação, nesta semana que termina, da escuta de um deputado no momento em que se encontrava na prisão com um suspeito de terrorismo, relançou o debate sobre os rumos de um Estado sob vigilância no estilo Big Brother. Desde os atentados do 11 de setembro de 2001 nos Estados Unidos, a multiplicação das medidas de segurança alimentou as preocupações sobre o volume de informações coletadas pelas autoridades e sua capacidade de protegê-las.

A revelação, no início da semana, de uma escuta no deputado do Partido Trabalhista, Sadiq Khan, por parte da Polícia antiterrorista, quando ele visitava Babar Ahmed na prisão, suspeito de terrorismo e alvo de um pedido de extradição dos EUA, reavivou o debate. Na quarta-feira, o primeiro-ministro britânico, o trabalhista Gordon Brown, prometeu uma rápida investigação.

Destacou, contudo, que a vigilância é “necessária para defender nossa segurança, manter nossa liberdade e, em alguns casos, salvar vidas”. Colocar escuta nos parlamentares não é formalmente ilegal. Mas as autoridades se abstêm de fazê-lo, por tradição, desde 1966, de acordo com a doutrina Wilson, ditada pelo então primeiro-ministro, trabalhista como Brown, Harold Wilson.
Na quarta-feira, Nick Clegg, líder do Partido Liberal Democrata, o segundo da oposição, acusou Brown de fazer dos britânicos “a população mais espionada do planeta”. O chefe de governo rebateu, afirmando que as pessoas estavam mais tranqüilas com a presença de câmeras de circuito interno de televisão (CCTV).

Atualmente, a Grã-Bretanha é vigiada 24 horas por 4,2 milhões de CCTVs, ou seja, uma câmera a cada 14 habitantes, a proporção mais alta do planeta. Algumas têm até alto-falante para chamar a atenção de quem estiver fazendo o que não deve. Além disso, em julho passado, Brown já havia anunciado a generalização de vistos e passaportes biométricos em 2008 e o registro eletrônico de cada passageiro que entra e que sai do território.

Cada habitante deverá ter, pela primeira vez, uma carteira de identidade biométrica, em 2009, e as autoridades pretendem ampliar seus arquivos de DNA. Este arquivo já é, hoje, o mais expressivo do mundo, com o DNA de 5,2% da população, cerca de quatro milhões de pessoas, compilado. Desde 2004, o perfil do DNA de qualquer pessoa presa na Inglaterra e no País de Gales (salvo infrações menores), declarado culpado ou não, é conservado.

A perda recente de uma série de dados sensíveis de milhões de britânicos, utilizados pela Receita, Polícia e Exército, e seu possível vazamento estão longe, porém, de tranqüilizar a população, cada vez mais vigiada. (das agências de notícias)

Origem: http://www.opovo.com.br/opovo/internacional/764695.html

Marcelo Peres
Editor do Guia do CFTV

Avalie esta notícia, mande seus comentários, de suas sugestões. Encontrou alguma informação incorreta ou algum erro no texto?

Escreva para mim:
mpperes@guiadocftv.com.br

Eng° Marcelo Peres

Eng° Eletricista Enfase em Eletrônica e TI, Técnico em Eletrônica, Consultor de Tecnologia, Projetista, Supervisor Técnico, Instrutor e Palestrante de Sistemas de Segurança, Segurança, TI, Sem Fio, Usuário Linux.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.