Loja condenada por uso de câmera em vestiário

A iniciativa de um gerente da C&A de instalar câmera de vídeo para monitorar o vestiário feminino da loja situada no Shopping Praia de Belas, em Porto Alegre, resultou na condenação da empresa ao pagamento de indenização no valor de R$ 45 mil a uma vendedora.

A decisão, da 2ª Vara do Trabalho de Porto Alegre, foi mantida pelo TRT (Tribunal Regional do Trabalho) da 4ª Região e pelo TST, que negou provimento a agravo de instrumento da empresa. A C&A informou que vem tomando todas as providências cabíveis para que o episódio seja esclarecido e resolvido da melhor forma possível.

De acordo com a assessoria do TST, a vendedora começou a trabalhar na C&A em março de 2000. Entre julho e outubro de 2003, começou a desconfiar de certas atitudes de funcionários da gerência, que passaram a trocar de roupa dentro do box do chuveiro, e não mais nos corredores do vestiário, como era de costume. As próprias funcionárias constataram então a existência de uma câmera de vídeo no teto do banheiro.

Duas fiscais da loja descobriram a instalação. Seguindo a fiação até a sala de ar condicionado acima dos vestiários, onde estavam escondidos o monitor e o aparelho de vídeo-cassete, constataram também a existência de várias fitas e de outra linha de cabos que, aparentemente, se destinava ao vestiário masculino. Na época, a empregada, além da utilização normal do banheiro, também tomava banho e trocava de roupa no local.

Segundo ela, os funcionários, que sabiam dos locais onde havia monitoramento na loja (caixas, escadas rolantes etc.), não foram avisados da instalação de câmeras nos banheiros. Além do constrangimento gerado às funcionárias filmadas em situações íntimas, a inicial da reclamação trabalhista informa que surgiram, por parte dos superiores, comentários ousados sobre suas roupas íntimas, sobre as condições físicas e até mesmo sobre depilação.

O fato deu origem a fiscalização do Ministério do Trabalho, a registro de ocorrência policial e ao ajuizamento de uma ação cível. A Justiça Comum declinou da competência para a Justiça do Trabalho.

Na contestação, a C&A disse que, em março de 2004, ao tomar conhecimento dos rumores sobre a existência das gravações, abriu processo interno para apuração dos fatos. Segundo a empresa, o gerente de operações da loja, diante de diversas reclamações de funcionárias a respeito de furtos de objetos pessoais no vestiário feminino, decidiu, por sua conta e com recursos próprios, instalar a câmera de vídeo para flagrar e punir as autoras de furtos. A loja ressaltou que essa explicação foi apresentada pelo próprio gerente, “não podendo afirmar que esta seja a verdadeira ou única motivação de sua conduta”.

O equipamento teria sido adquirido de um vendedor de produtos eletrônicos de espionagem. O monitor e o aparelho de vídeo-cassete eram de propriedade da empresa. O sistema, alegou a C&A, teria operado por apenas dois dias. Para a empresa, a responsabilidade pela reparação de eventuais danos recorrentes da instalação deveria ser atribuída exclusivamente ao gerente, “que de forma consciente e dissimulada, agindo fora dos limites do trabalho que lhe competia, e se utilizando de meios escusos para alcançar seu fim, assumiu os riscos de sua conduta.”

A Vara do Trabalho fixou em R$ 60 mil o valor da indenização por danos morais, diante da gravidade do fato. Para a juíza, “este único ato – instalação de câmeras – já é passível de indenização. A existência de fita de vídeo comprovando e exibindo as imagens agrava ainda mais a situação. E a exposição a situações constrangedoras e vexatórias decorrentes das piadas provenientes dos colegas que assistiram à fita é de gravidade sem tamanho”. O TRT manteve o entendimento no sentido da existência do dano, mas reduziu o valor da condenação para R$ 45 mil.

No julgamento do agravo de instrumento no TST, a juíza Perpétua Wanderley ressaltou que a preservação da intimidade é um bem juridicamente tutelado, inserido entre os direitos fundamentais previstos na Constituição. “O ato foi vinculado não apenas ao local de trabalho e às funções, mas encontrou, nessas funções, o meio para a sua realização e a justificativa engendrada para lhe atribuir a finalidade de defesa do patrimônio da empresa”, afirmou a relatora.

“Trata-se da responsabilidade objetiva do empregador, a cujo serviço e ordens e em cujo nome o empregado e o preposto agem, por força da investidura de poderes expressos ou tácitos que advêm de seu cargo —o que, nos termos do artigo 933 do Código Civil, atrai a responsabilidade pelo ato do terceiro, ainda que não haja culpa do responsável”, concluiu.

Após a condenação, a C&A afirmou que, assim que tomou conhecimento do fato, há cerca de três anos, instaurou imediatamente um processo interno. Tão logo identificado, o funcionário que assumiu a responsabilidade por ter instalado a câmera por conta e recursos próprios foi imediatamente desligado.

A empresa também disse que condena qualquer conduta que desrespeite os direitos de seus funcionários e que contradiga a história de integridade e ética com que sempre conduziu os seus negócios.

Origem:
http://ultimainstancia.uol.com.br/noticia/37044.shtml
http://oglobo.globo.com/economia/mat/2007/04/16/295384734.asp
http://www.sinttel.org.br/imprensa/Ver_Noticias.asp?ID=1137
http://conjur.estadao.com.br/static/text/54680,1

Marcelo Peres
Editor do Guia do CFTV

Avalie esta notícia, mande seus comentários, de suas sugestões. Encontrou alguma informação incorreta ou algum erro no texto?

Escreva para mim:
mpperes@guiadocftv.com.br

Eng° Marcelo Peres

Eng° Eletricista Enfase em Eletrônica e TI, Técnico em Eletrônica, Consultor de Tecnologia, Projetista, Supervisor Técnico, Instrutor e Palestrante de Sistemas de Segurança, Segurança, TI, Sem Fio, Usuário Linux.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.